Festivais do interior baiano voltam a acontecer em 2021

Aprovados no Prêmio Jorge Portugal do Governo do Estado, iniciativas interrompidas como o Festival de Violão, Festival Suíça Bahiana e Festival Avuador serão realizados no primeiro semestre.

O que esperar de 2021? Aprendemos com o final de 2019 que é melhor aguardar as coisas acontecerem, não é mesmo? Mas já temos um bom motivo para abrandar os sentimentos negativos no primeiro semestre do ano que vem: o retorno de três festivais do sudoeste baiano que estavam interrompidos há alguns anos.

São eles o Festival Avuador, o Festival Internacional de Violão e o Festival Suíça Bahiana. O primeiro não acontece desde 2012, o segundo desde 2013 e o último desde 2018. Eles foram contemplados através de edital no Prêmio das Artes Jorge Portugal, instrumento da Lei Aldir Blanc através do Governo do Estado da Bahia e acontecerão ainda no primeiro semestre de 2021.

Festival Avuador

Karina Buhr no Festival Avuador / Foto: Rafael Flores

Com três edições consecutivas entre 2010 e 2012, o Festival Avuador vive na memória de quem presenciou o fértil período cultural na cidade. A praça Barão do Rio Branco e a Concha Acústica do Centro de Cultura foram alguns dos espaços que recebeu o evento com nomes de destaque da música brasileira, como Banda Eddie, Baiana System, Karina Buhr, Lucas Santtana, Curumin, Siba Veloso, entre outros.

Para a produtora Leu Couto, o retorno do “Avuador” representará, junto com outras iniciativas, o fortalecimento econômico da cadeia produtiva da música na região. “A gente espera que ele reverbere mais uma vez, que seja bonito. Mesmo que virtualmente, será um ano de muita efervescência cultural”, conta.

Ainda em um momento de curadoria da atrações, Leu nos adianta que desta vez o festival acontece de forma completamente online e que honrará o histórico de atividades de formação propostas nas outras edições. “Serão três dias de festival, homenageando Glauber Rocha. No primeiro dia um bate-papo virtual com Ava Rocha e Paulo Rocha (filhos do cineasta) e nos dias seguintes tem muita música boa pra rolar. Vamos somar com as outras ações e fazer a arte se fortalecer, juntar todo mundo nessa corrente da arte”, diz.

Festival Internacional de Violão

Violonista Paulo Martelli durante Masterclass no I Festival Internacional de Violão de Vitória da Conquista em 2013. Foto: PMVC

Irmão mais novo dentre os festivais conquistenses citados, o Festival Internacional de Violão vem contemplar os exímios instrumentistas da região, dos eruditos aos populares.

O festival tem diversos propósitos, como formar público para a música erudita, incentivar jovens músicos ao estudo do violão e incluir Vitória da Conquista no circuito da música erudita de concerto. De forma online, sua próxima edição também irá contemplar “masterclass” e concertos.

Festival Suíça Bahiana

Emicida na segunda edição do Festival Suiça Bahiana, em 2011 / Foto: Rayza Lélis

O Suíça Bahiana, veterano entre os três, vai comemorar 10 anos da sua primeira edição, que aconteceu em 2010, mas teve de aguardar um pouco para os festejos. “Pra gente, depois de um ano com atividades interrompidas, comemorar os dez anos do festival com shows incríveis é um recomeço com perspectivas muito promissoras.”, afirma o produtor cultural Gilmar Dantas.

Para ele, o edital Jorge Portugal “é extremamente necessário para que projetos artísticos possam se manter vivos e em contato com o público, mesmo que de forma virtual”. O Festival inicialmente está previsto para ocorrer de forma mista entre o presencial e online, porém tudo depende da situação sanitária do país em relação à pandemia do coronavírus.