Rio Verruga: Problemas ambientais serão pautados em audiência pública

O rio, que nasce e corta a cidade de Vitória da Conquista, sofre com os problemas causados pela expansão urbana. Em algumas áreas da cidade, a poluição e o mau cheiro são constantes

Foto: Anderson Oliveira

A Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC) realiza nessa quinta (11), a partir das 19h00, uma audiência pública para discutir a situação do Rio Verruga. O requerimento de nº 31/2015 é de autoria do parlamentar Juvêncio Amaral (PV).

Dentre os convidados estão a Promotora Pública de Meio Ambiente, Cristina Seixas Graça; a coordenadora do Ministério Público, Guiomar Miranda; a Diretora Geral do Inema (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos), Márcia Telles; o Conselheiro Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Rui Medeiros; o prefeito Municipal Guilherme Menezes; a engenheira sanitarista da Embasa, Kelly Galvão; o engenheiro agrônomo Alexandre Tavares; o diretor geral da FTC (Faculdade de Tecnologia e Ciências), Sérgio Magalhães; a coordenadora do curso de Engenharia Ambiental do IFBA, Camilla Willer; o coordenador regional do INEMA, Fabiano Ferraz; o analista e professor de Geografia da UESB, Altemar Amaral Rocha e o gerente regional da Embasa, José Olímpio Cardoso.

Rio Verruga

O Rio Verruga nasce na Reserva do Poço Escuro, em Vitória da Conquista. Seus afluentes mais importantes, da margem direita, são o riacho Santa Rita, Córrego Lagoa de Baixo e Rio Periquito, enquanto que, da margem esquerda, são os Córregos Leão, Jeribá, Córrego do Moreira e rios D’Água Fria, dos Canudos, Santa Maria, riacho José Jacinto, córrego Riacho Seco e riacho da Areia.

Em meados do século XX, a calha do rio sofreu um processo de retilinização, alterando o curso e o seu leito natural. Ao longo do tempo, outros processos aconteceram como a canalização de grande trecho do seu canal, e um consequente aterro de áreas inundáveis, proporcionando uma mudança completa no ambiente que antes possuía uma extensa faixa de vegetação arbórea e algumas áreas de planície de inundação.

Além disso, a expansão urbana de Vitória da Conquista provocou uma diminuição contínua do ambiente natural no entorno das principais nascentes do alto rio Verruga, dando lugar a problemas de erosão, desmoronamentos de encostas, assoreamento dos cursos d’água, poluição, dentre tantos outros. Em áreas como Avenida Bartolomeu de Gusmão e proximidades do Restaurante Popular, a poluição e o mau cheiro são constantes.

mapa

Fonte: http://rverruga.blogspot.com.br/

O Rio Verruga chegou a ganhar, em 2011, o título de um dos rios mais poluídos do Brasil, depois de um estudo realizado pela fundação SOS Mata Atlântica. Foi também em 2011 que o projeto de extensão “Reflorestamento Participativo do Rio Verruga”, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), venceu o prêmio Bayer Jovens Embaixadores Ambientais. O projeto, financiado pela Prefeitura, contava com recursos oriundos do Fundo Municipal do Meio Ambiente, deliberado pelo Conselho Municipal do Meio Ambiente. O objetivo principal era promover ações educativas e de capacitação, a fim de restaurar a mata ciliar em alguns trechos do Rio Verruga, em parceria com a comunidade.