Seminário Mulheres Negras no Foco discute mídia, representação e memória

Programação faz parte do Julho das Pretas, agenda de intervenção criada pelo Odara – Instituto da Mulher Negra, comemorando o Dia Internacional da Mulher Afro – Latino-Americana e Afro-Caribenha e o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra

Nesta quinta-feira (07), o Odara – Instituto da Mulher Negra realizará o “Seminário Mulheres Negras No Foco: Mídia, representação e Memória, no Auditório da Biblioteca Pública da Bahia (Barris), em Salvador. O evento abrirá a programação da 4ª edição do Julho das Pretas na capital baiana e vai até a sexta-feira (08).

O seminário vai debater sobre o direito das mulheres negras à comunicação, sua representação política e seus desafios, além da construção dos discursos e narrativas de luta destas mulheres no acesso aos direitos, estratégias e desafios para assegurar o registro e a memória da história da população negra. O foco será na construção da imagem contra hegemônica nas diferentes linguagens de comunicação, discutindo também políticas públicas no setor da comunicação que permitam a representação positiva das mulheres negras.

Participarão das mesa de discussões nomes expressivos do movimento de mulheres negras, da mídia, da pesquisa e do cinema, como a colunista da Carta Capital e do Blog Boitempo, e secretária municipal de Direitos Humanos de São Paulo, Djamila Ribeiro; a jornalista, repórter do grupo A Tarde e criadora da Tia Má, Maíra Azevedo; a cineasta carioca, realizadora do filme Kabela e diretora e fundadora do Afroflix, Yasmin Thayná; as cineastas baianas, Viviane Ferreira, diretora do filme O Dia de Jeruza, indicado ao Festival de Cannes e Larissa Fulana de Tal, diretora e roteirista de Cinza (2015) e Lápis de Cor (2014); e  a Coordenadora Executiva do Odara – Instituto da Mulher Negra, Valdecir Nascimento.

O Julho das Pretas é agenda comum de intervenção criada pelo Odara – Instituto da Mulher Negra, em 2013, na Bahia. Além de discutir o planejamento de atividades de mulheres negras para o mês de julho, quando se comemora o 25 de julho – Dia Internacional da Mulher Afro – Latino-Americana e Afro-Caribenha e o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, o evento propõe debater amplamente o perfil, as problemáticas e prioridades das intervenções no estado.

Em sua 4ª edição, o Julho das Pretas também conta com uma ampla programação nos estados da região do Nordeste brasileiro.

Veja aqui a programação completa do seminário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *