O Jardim que guarda a história em cimento e pedra

Museu Cajaíba: o legado de um artista plástico pede atenção dos conquistenses¹

Por André Thibes e Ana Paula Marques

O Museu Cajaíba, localizado no alto da Serra do Peri Peri, guarda uma história com um importante valor cultural para Vitória da Conquista e região sudoeste. O espaço foi construído pelo artista-plástico Aurino Cajaíba, falecido há alguns anos, e é zelado atualmente pelo seu filho, Edvaldo Cajaíba.

As esculturas, confeccionadas com cimento e ferro, povoam os 6 mil metros quadrados do museu. Ainda em vida, Aurino contava cerca de 200, mas com o tempo elas foram se perdendo e degradando e hoje resistem por volta de 180 obras. “É um grande legado que o artista deixou para a cidade, com obras inspiradas na história do Brasil, expostas ao ar livre”, comenta Edvaldo.

Além dessas, “existem obras de Cajaíba em diversas cidades baianas. Em Vitória da Conquista, a mais famosa se encontra em frente ao tiro de guerra, conhecida como ‘Os Três Pracinhas’”, explica o filho do escultor.

O museu começou a ser criado em meados da década de 60. Cajaíba esculpia numa sala que ficava dentro do espaço e foi expondo seus trabalhos ao redor desse ambiente. Hoje, ao caminhar por ali, é possível ter a sensação de estar vivendo a história dos nossos antepassados, em um jardim de pedra.

Edvaldo Cajaíba/ Foto: Ana Paula Marques

Edvaldo Cajaíba/ Foto: Ana Paula Marques

O artista viveu de forma humilde e assim levou a gestão de seu museu. Ele considerava que suas obras eram patrimônio público e não cobrava ingresso para os visitantes. Em certas situações fazia as esculturas e vendia a preços simbólicos, algumas vezes chegando até a não cobrar por elas. “Ele criou tudo isso, em benefício do povo. Ele montou o museu e não era cobrado ingresso, era aberto ao povo e o povo que contribuía com o que podia”, afirma Edvaldo Cajaíba.

Porém, ainda em vida, Aurino já alertava para as dificuldades de gerir o museu e solicitava ajuda do poder público. Em uma carta, ele chegou a pedir ajuda do governo, independente da instância, podendo ser o Governo Federal, Estadual ou Municipal. Seus pedidos não foram desnecessários pois hoje parte do acervo foi perdido pela falta de verba para conservação e outra parte foi restaurada por iniciativa do próprio Edvaldo, na tentativa de resgatar o museu com o que havia resistido.

“É uma busca muito cansativa que vem desde a época que meu pai era vivo. Ele sempre buscou um apoio que nunca foi dado. Depois da morte dele, já tentei várias vezes, já conversei com o prefeito Guilherme Menezes e ele prometeu que viria mandar o pessoal aqui pra fazer um levantamento, mas até o momento nada foi feito”, desabafa.

Por outro lado, a Prefeitura alega que o Museu Cajaíba é uma propriedade privada pertencente à família Cajaíba.

Muitos artistas já se encontraram ali para conversar, trocar histórias e vivências e a prática perdura. Ele  está aberto a visitantes, com entrada gratuita. Edvaldo explica os horários para visitação: ”Nos finais de semana, das 11:00 às 17:00 horas. A entrada é pelo espaço cultural Janela Cajaíba”.

Janela Cajaíba

Uma das estratégias da família Cajaíba para divulgar o trabalho de Aurino foi a criação do espaço cultural Janela Cajaíba. O local reúne artistas de Vitória da Conquista e promove atividades culturais constantes.

“Esse espaço foi feito em função do museu para divulgar as obras. Cajaíba faleceu há 16 anos e foi praticamente esquecido. No final dos anos 60 até o final dos anos 80, o museu era bastante visitado, vinha turistas do mundo inteiro. A revista Manchete impulsionou pra que ele pudesse ser reconhecido em todo o Brasil”, explica Edvaldo.

O espaço funciona como um bar, porém promove alguns shows. Por exemplo, no próximo dia 12 de abril, vai ocorrer o show Sêr-Tão Roots.

Quem foi Cajaíba

Aurino Cajaíba da Silva nasceu no dia 25 de novembro de 1917 em Itaquara, município baiano próximo à Jaguaquara. Criado em Jequié, o artista plástico veio para Vitória da Conquista no final dos anos 50, onde se estabeleceu.

Aurino Cajaíba/ Foto: Arquivo Municipal

Aurino Cajaíba/ Foto: Arquivo Municipal

Cajaíba obteve prestígio nacional ao sair na Revista Manchete, numa reportagem de quatro páginas intitulada “A História Fantástica de Cajaíba”, em 1967. No ano seguinte, foi convidado da Hebe Camargo, em seu programa na TV Record. Expôs na Bienal Internacional de Arte de São Paulo e foi considerado fenômeno mundial pela crítica francesa, após a exibição do documentário sobre a vida do escultor no curta metragem “Cajaíba: Lição das Coisas – O Fazendeiro do Ar”, dirigido por Tuna Espinheira em 1975.

Morreu em 25 de Outubro de 1997. Um de seus pedidos à família foi que seu corpo fosse sepultado no próprio Museu e assim o foi. Dentre as várias esculturas, é possível encontrar um cantinho onde descansa seu corpo, da forma como viveu, rodeado por sua obra.

CONTEXTUALIZANDO com Mary Weinstein²

Um museu local fortalece a memória de uma comunidade, valorizar e fomentar a figura de Cajaíba é fortalecer a própria identidade de Conquista. A professora Mary Weinstein falou um pouco sobre a importância de um museu para a cidade:

A valorização da cultura tem tido importância máxima nas cidades. Museu é uma forma de apresentar culturas, quase que didaticamente. É o lugar para se reunir  as expressões culturais e as expressões artísticas seja lá de que período for da história de um lugar.

Portanto, é um componente imprescindível nas nossas vidas e deixou de ser o congelamento do passado há muito tempo. Lembrando que cultura e arte não são para ficar estritamente dentro dos prédios. A Europa, por exemplo, é um museu dentro e fora das suas edificações, elas mesmas – as edificações – preservadas, como um texto de uma sucessão de períodos da humanidade. A Europa vive da sua história, onde cultura passa a ser objeto de compra, venda e troca, e é uma riqueza como o petróleo, como os minérios de ferro e os inventos tecnológicos.

Mary Weinstein/ Foto: Arquivo Pessoal

Mary Weinstein/ Foto: Arquivo Pessoal

E, fora tudo isso, museu é o local de reflexão, de auto conhecimento e até de se pensar sobre o presente e o futuro. Por essas e outras, museu, no bom sentido, só faz bem pras comunidades. É um dos locais onde ela pode se enxergar e pode se apresentar como uma síntese para quem tiver curiosidade de conhecer sobre ela. Mas claro que estou falando de museu como cultura e não como culto de um passado. Estou falando de museu como registro, como interpretação, como diálogo.

Tudo que, digamos assim, não pode ser mantido em outro lugar, ou como representação de outro lugar, e me refiro a lugar como objeto. É também o espaço para se manter objetos de interesse coletivo e que passam a pertencer a todos. Inclusive, há museus de tudo quanto é coisa: da cadeira, do sapato, dos impressionistas, do ritmo e por aí vai. Definitivamente, museu é muito mais o presente. E é mais futuro que passado, na era digital fica mais importante ainda entendermos a função da presença dos museus na cidade. E citando mais uma vez a Europa, por lá há museus quase a cada esquina. As filas para visitá-los são imensas, se movimentam por horas. Há estruturas para gerir um museu, as pessoas viajam até certas cidades somente para visitar museus. Há um filme agora em cartaz, o Caçadores de Obras de Arte que se refere mais ou menos a essa temática da conservação das expressões artísticas, dos grandes nomes da pintura, das edificações, tudo isso chamado de monumentos, em meio à insanidade do nazismo que ou roubava para si, ou as destruía para que ninguém ficasse com elas. Temos que trazer essa questão para o presente e fazer ver que manter as obras de arte e da cultura é uma forma de nos mantermos sãos. Pense em São Paulo, que tem representações culturais em cada esquina, e muitas delas são em forma de museus.

¹Foto de Capa: Arquivo Municipal – Escultura de Castro Alves em deterioração.

²Mary Weinstein é Doutora pelo Programa Multidisciplinar em Cultura e Sociedade, da Faculdade de Comunicação (Facom) da Universidade Federal da Bahia. Foi repórter do Jornal A Tarde, onde se especializou em patrimônio histórico e cultural. Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).