Itabuna: grupo pró-Bolsonaro incita polícia e ameaça artistas em centro cultural

Diretor do espaço cultural foi exonerado menos de 48h após o ocorrido

O Centro de Cultura Adonias Filho (CCAF), em Itabuna no sul da Bahia, viveu cenas lamentáveis nesta terça-feira (18). Após questionar a realização de uma reunião partidária no espaço cultural, o que é expressamente proibido por lei (Art. 73 da Lei nº 9.504/97) , jovens foram acuados e agredidos.

A reunião em questão era de apoiadores do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), representado ali pelo candidato a deputado federal Guilherme Galvão* (PSL). Jovens estudantes de teatro e capoeira enfrentaram a ilegalidade, sacando um violão e cantando paródias provocativas.

Segundo P., primeiro dos artistas a se impor contra a reunião eles começaram a se expressar para deixar claro que aquele espaço não era destinado a encontros partidários e serve prioritariamente aos agentes culturais da região.

“Deixamos claro também que a ideologia daquele grupo é contrária a nossa própria existência, improvisamos para dizer que ali não é lugar de ideologia machista, misógina e homofóbica”, conta.

Ainda segundo P., logo em seguida ao seu protesto e adesão dos outros artistas presentes um bate-boca foi instaurado e os correligionários de Bolsonaro  partiram da ameaça para a agressão física: “dois deles eram policiais e comandaram a ação, antes mesmo do reforço da Polícia Militar chegar”.

Vídeo de parte da discussão:

Quatro viaturas chegaram ao local (duas motos e dois carros) para o reforço, assim os jovens foram revistados e levados à delegacia. Segundo os relatos, houve bastante agressão física e psicológica, tanto da parte dos policiais quanto dos bolsonaristas.

“Você é capoeirista, você consegue escalar”, “Posso largar?”, “Vamos implantar e acabou” – foram algumas frases que os policiais disseram durante a abordagem, segundo P.

“Eles foram revistados como se fossem portadores de drogas, mas não encontraram nada, eles foram levados no fundo do camburão!”, disse Jorge Almeida, um dos advogados que atendeu as vítimas ao protocolar a denúncia na subseção da OAB (Ordem dos Advogados da Bahia) de Itabuna.

Em evento na sede da Ordem para recepcionar novos advogados, Jorge ainda chamou atenção para o fato de uma colega não ter tido as suas prerrogativas respeitadas na situação. Uma das capoeiristas é advogada e se identificou no momento da abordagem, no entanto não foi tratada como tal.

Confira o pronunciamento do advogado Jorge Almeida

Ainda na delegacia, os artistas e os partidários fizeram espécie de armistício, evitando representação ao Ministério Público Estadual (MP-BA). Para P. o maior motivo do acordo foi o medo, já que a pressão psicológica sofrida pelo grupo já teria sido grande.

Já na noite posterior à confusão e uso de aparato policial no Centro de Cultura, os jovens decidiram protocolar denúncia contra o grupo de apoio ao presidenciável, segundo o blog Pimenta.

Exoneração de Coordenador

O coordenador do CCAF na situação era Cláudio Henrique da Silva Lyrio, membro também do Conselho Estadual de Cultura da Bahia. Sua exoneração foi publicada na edição do Diário Oficial do Estado desta quinta-feira (20) e está relacionada ao uso indevido do espaço público para reuniões políticas-partidárias.

Segundo P., Claudio estava em viagem no momento da confusão e não teria autorizado a realização da reunião. Para seus colegas do Conselho, Cláudio é um membro ativo e defensor da cultura no interior do estado.

Para o lugar de Cláudio Henrique, foi nomeada Juliana Rodrigues Farias. A pedido da Revista Gambiarra, A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) enviou uma nota de esclarecimento:

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) lamenta e repudia o ocorrido na noite desta terça-feira (18), no Centro de Cultura Adonias Filho, em Itabuna-Ba. O espaço funciona promovendo e acolhendo programação cultural variada de artistas e produtores da cidade e região, através de convocatórias públicas e democráticas como o Ocupe Seu Espaço, aprovadas pela secretaria.

A Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura, que cuida dos 17 espaços culturais da SecultBA, orienta a todos os servidores a cumprir o Regulamento para Uso e Funcionamentos dos Espaços Culturais que nas suas diretrizes atende à legislação eleitoral vigente (Art. 73 da Lei nº 9.504/97) que indica vedação da cessão de imóvel da administração pública “em benefício de candidato, partido político ou coligação”.

**A equipe de campanha do candidato Guilherme Galvão foi contactada, mas não nos respondeu até o fechamento desta reportagem.