Holy Shit! O Grunge de volta à Conquista

Primeiro EP da Social Freak mostra um olhar juvenil de não se sentir parte de um comportamento padrão com uma sensatez que poucas bandas da cidade conquistaram, mesmo depois de anos de existência

Para os mais tradicionais no rock conquistense, não será difícil lembrar a explosão grunge* na cidade do início até meados dos anos dois mil. Flanelados, calças batidas e muitos cabelos ocupavam a praça Guadalajara (Praça da Normal) com a trilha sonora de bandas noventistas de Seattle como Alice In Chains, Pearl Jam e Soundgarden. Mr. Grass, Abismo, Reason e Retílinea são alguns exemplos de representantes locais desta tendência.

Em 2014, o cenário já é outro, as influências roqueiras são difusas , não há mais um ponto de encontro tão forte quanto antigamente e as casas de show que recebem pequenos eventos são cada vez mais raras. Ainda assim, há novas bandas surgindo na cidade que propõem “dar uma acordada” na cena.

Uma delas é a Social Freak: a mescla entre as canções de  Silverchair (Freak) e Alice In Chains (Social Parasite) no título, já indica as influências que a banda remonta. Os garotos misturam esse olhar juvenil de não se sentir parte de um comportamento padrão com uma sensatez que poucas bandas da cidade conquistaram, mesmo depois de anos de existência.

Percebendo a deficiência estrutural que leva a uma circulação cada vez mais restrita pelas casas de shows de Vitória da Conquista, a Social Freak não demorou em colocar o pé na estrada. Acabou de passar pela capital baiana, tocando em um das principais casas do bairro boêmio Rio Vermelho, o Dubliners Irish Pub.

O vocalista Giovanni Henrique foi quem teve a ideia de contactar casas de show Brasil a fora, para ele essa saída é importante para formação de novos públicos, coisa cada vez mais restrita dentro da nossa cidade. “Além de Salvador, já estamos fechando com uma casa (de shows) no Rio de Janeiro e vendo outras pelo sudeste”.

A banda está em processo de divulgação do recém-lançado EP “Holy Shit” com seis canções autorais: Holy Shit!Don’t Cry, You Are Killing Me, Cherry, End Of The Road e Stay High. Para Leonardo Araújo (guitarra e vocais) o EP é uma solução ideal para o primeiro contato com os ouvintes.



Provando a intenção de levar a sério o trabalho, Giovanni afirma que o processo de gravação do EP foi extremamente corrido por terem escolhido uma data chave para o seu lançamento. “Foi nosso primeiro trabalho gravado, ninguém sabia muito bem como funcionava. Foi corrido, por isso tivemos que correr bastante, marcar várias reuniões para trabalhar nas músicas extremamente rápido”, explica.

Conheça a banda: Soundcloud/Facebook/TNB

 * Grunge  é um subgênero do rock que surgiu no final da década de 1980 no estado americano de Washington, principalmente em Seattle, inspirado pelo hardcore punk, pelo heavy metal e pelo indie rock.