Gabriela Kapim: “Pela primeira vez na história, estamos com uma perspectiva de vida na infância menor do que da geração anterior”

Diretamente de Fortaleza (CE), a jornalista conquistense Gabriela Couto entrevistou a nutricionista especializada em nutrição infantil, Gabriela Kapim, durante o evento Kids&Mamas. Confira:

Por Gabriela Couto

Entrevista originalmente publicada no Buteco 512, no dia 07/12/2015

Durante sua palestra ela comentou que está gravando a 7ª temporada. Não, não é uma série de romance. É como um reality show, e ela é, para mim, a Super Nanny da nutrição. E sim, eu sei que vocês não sabem de quem estou falando.

Gabriela Kapim é nutricionista especializada em nutrição infantil e apresenta o programa “Socorro! Meu Filho Come Mal”, no canal GNT. E se ela está na 7ª temporada, eu acompanho desde a primeira. Me apaixonei à primeira vista pelo modo como ela convence as crianças na velocidade da luz a mudar hábitos alimentares.

Quando fiquei sabendo que ela estaria em Fortaleza eu não pensava em mais nada além de ‘tenho que entrevistar essa mulher!’. Valeu a pena cada segundo que eu gastei para chegar nela. Eu tinha apenas cinco minutos, por conta do trânsito infernal dessa cidade, mas foram os melhores cinco minutos da minha história como jornalista (tá, eu sei que ela está só no início).

A minha felicidade não se resume apenas em entrevistar Kapim, eu sou muito fã dela, faço as receitas e tudo, mas sim por poder trazer os ensinamentos dela para as mães, pais, avós, tios, tias, enfim, pra essa galera que passa muito aperto com as crianças. Ela propõe soluções muito fáceis de serem aplicadas no cotidiano, que com um pouco de dedicação faz toda a diferença na saúde dos pequenos.

Entrevistei Gabriela durante a primeira edição do evento Kids&Mamas, realizado entre 28 de novembro e 06 de dezembro, e que trouxe diversas palestras para Fortaleza, todas voltadas para as mães e seus filhos.

Na nossa conversa ela falou sobre as coisas mais importantes na alimentação infantil, como ela faz para os filhos não comerem mal, a campanha “Fonte da Juventude” e muito mais.

Gabriela Couto: O que você considera mais importante na alimentação infantil?

Gabriela Kapim: Hábitos saudáveis e consumo de frutas, legumes e verduras. Se a gente conseguir ampliar o consumo desses alimentos já vai melhorar muita coisa no quadro da alimentação infantil hoje no Brasil.

G.C.: Quais são os maiores problemas que você encontra com as crianças que você atende?

G.K.: Resistência para experimentação, muitas crianças que não gostam de experimentar, que não querem experimentar, e muita dificuldade dos pais de enfrentarem essa resistência, assim, acho que é a maior dificuldade é sempre isso. Eu trabalho muito mais com os pais do que com as crianças, mas as dificuldades elas estão aliadas, a resistência e a dificuldade dos pais de enfrentarem.

G.C.: Qual o primeiro passo para mudar a alimentação de uma criança?

G.K.: Depende de cada casa, de cada caso, porque tem casos que eu consigo fazer o vínculo direto com a criança e através dela eu construo as regras e as metas e aí a gente vai construindo um vínculo com a criança, que vai refletindo nos pais. Muitas vezes eu tenho que ir através do pais e ir chegando aos pouquinhos. Então depende muito, tem que ter uma sensibilidade para saber aonde vai abrir o caminho para eu entrar.

G.C.: Você é apresentadora de um programa sobre alimentação infantil. Você consegue perceber como o “Socorro! Meu Filho Come Mal” influencia o público? Tanto pais, quanto crianças?

G.K.: Isso é muito legal porque eu vou te confessar que até muito pouco tempo atrás eu não entendia a dimensão que tinha isso. Então hoje em dia pelas redes sociais, e-mail, eu recebo e-mail e comentários através da rede do Brasil inteiro. E aí eu me dou conta do quão maior é do que só aquelas famílias que eu atendo ali no programa e no consultório. Quanto que isso está se refletindo em muita gente, muitas pessoas através do exemplo de outras pessoas, pelo programa, se encorajam de tentar e de seguir aquelas dicas, aqueles mandamentos que eu dou, e conseguem. Outras se encorajam para tentar ir até o consultório e tentar fazer a mudança já numa coisa mais específica. Mas realmente é uma das coisas que eu acho mais bacana de estar na TV é de fato conseguir ampliar a voz desse assunto e chegar a gente e pessoas que eu nunca iriam chegar no consultório.

G.C.: Como você consegue fazer com que seus filhos não comam mal?

G.K.: Fazendo o que eu mando fazer na televisão todos os dias. Sendo coerente com o meu discurso que tá ali na TV. Então assim, lá em casa eles já comem. Outro dia uma jornalista me perguntou se eu forçava meus filhos a comerem bem e, por um momento, eu disse ‘Não, meus filhos comem bem’. Depois eu disse ‘Eu forço sim’. Porque assim, pra mim eles não tem opção de comer mal, eles não podem não comer bem. E não é porque eu sou nutricionista e estou lá na televisão, é porque pra mim eu estou cuidando da segurança deles tanto quanto na hora que eu coloco o cinto de segurança no carro, tanto quanto eu dou a mão na hora deles atravessarem a rua. É a saúde deles, é a vida deles que está em risco.

G.C.: Fala um pouco mais sobre a campanha “Fonte da Juventude” em parceria com Vik Muniz*.

G.K.: Essa campanha fala exatamente disso, fala exatamente da gente mobilizar o maior número de pessoas possíveis para chamar a atenção para o baixo consumo que a gente tem hoje em dia de frutas, verduras e legumes na população infantil e na população adulta também. A gente tá pela primeira vez na história com uma perspectiva de vida na infância menor do que da geração anterior e isso é um dado muito preocupante, e muito relevante, e muito direcionado a má alimentação que a gente encontra na infância hoje em dia. Então, é uma campanha que eu estou vestindo a camisa literalmente, e tamo junto, vamos mobilizar o maior número de pessoas possíveis para melhorar essa situação.

G.C.: Em 2014 você lançou um livro com Ana Abreu sobre o programa, um guia de autoajuda para os pais. Você pensa em um segundo livro, ou livro apenas com receitas, já que as suas receitas fazem tanto sucesso?

G.K.: Nesse livro tem receitas, mas para o ano que vem a gente está preparando um livro novo que vai vim com muitas receitas e muitas coisas bacanas.

G.C.: No seu programa você sempre coloca as crianças para cozinhar. Por que você considera importante a participação da criança nesse processo?

G.K.: Ela tem que entrar em contato com o alimento sem ser na obrigatoriedade de comer, num momento lúdico, num momento de prazer, de brincadeira.

*Artista plástico brasileiro que utiliza materiais inusitados em suas obras. Ficou bastante conhecido após o documentário “Lixo Extraordinário” (2010) e também por ter feito a abertura da novela “Passione”, da Rede Globo, em 2010.