Filha de Glauber, Ava Rocha critica a cerimônia de inauguração do aeroporto de Conquista

Cantora também justifica a ausência da família na solenidade

Na foto: Erick, Ava e o pai Glauber Rocha

Através do Instagram, Ava Rocha comentou a inauguração do novo aeroporto de Vitória da Conquista (BA), que leva o nome do seu pai Glauber. A cantora pontuou a importância da obra do pai e disse que “faz-se necessário não transformar o uso indevido de seu nome para propósitos políticos e ideologistas.

Ava Rocha é cantora e compositora

O texto é dirigido claramente a Jair Bolsonaro, que foi figura central na solenidade, que aconteceu nesta terça-feira, 24. Com medidas como a proibição do pouso do governador Rui Costa (PT) através da Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, a equipe do presidente transformou a homenagem em um ato político partidário, onde só acessaram os seus aliados.

Após o governador comunicar a sua ausência, a família – que estaria lá através da também filha Paloma Rocha, se absteve.

Leia na íntegra

Meu pai Glauber Rocha foi um visionário, que previu, junto a outros intelectuais como Darcy Ribeiro, a abertura no Brasil, um país ao qual amou profundamente (e pelo qual morreu) e de onde emergiu a potência libertária e revolucionária da sua obra, viva, atual e luminosa. Nada nem ninguém poderá desvirtuar seu pensamento e sua história, cravada em seus filmes, escritos, entrevistas, enfim em toda sua trajetória, repito visionária, revolucionária e libertária.

O que importa é sua força inabalável e o resto é perversão, tentativa de usar deuses para causas vulgares. Justamente nesse momento de perda da memória, de retrocesso, onde a cultura e todo o âmbito da dignidade humana é atravessado por uma consciência sórdida, nesse ano que Glauber faria 80 anos e é homenageado no aeroporto de sua terra Vitória da Conquista, faz-se necessário não transformar o uso indevido de seu nome para propósitos políticos e ideologistas, de um homem que não mais está aqui, e sim celebrar e reincendiar sua visão de um Brasil liberto, que deve estar ao lado dos que sonham e lutam, com a coragem e a entrega que ele manifestou em vida.

Que sua verdade possa nos inspirar e nunca rastejaremos na percepção sensacionalista daqueles que o incluem no mostruário de seu projeto para o Brasil: a fome e a injustiça. Para quem não sabe ou tem dúvidas, veja seus filmes e sua obra (aqui posto um fragmento do programa abertura). VEJAM E REVEJAM. E façam dela instrumento, arma, amuleto de sobrevivência e revolução.

Glauber Rocha é luz, é daqueles seres que passam pela terra para semear e amar, para destampar a vala da escuridão. Meu pai já partiu daqui faz 38 anos, e toda e qualquer forma de manter sua memória viva em benefício da cultura brasileira e mundial, é saudável e importante. Eu e meus irmãos, em memória também de minha vó Lúcia, e portanto sertão/brasil/mundo, carregaremos seus ensinamentos e seremos depositários de suas sementes. Sua obra permanece mais que atual, ela atravessa os tempos, como disse ele era um visionário e seus filmes são as veias abertas desse Brasil que vivemos. Mais forte são os poderes do povo! E da verdade! Saravá, Glauber! Liberdades totais!