Exposição multimídia relembra obra de Waly Salomão em Jequié

Se vivo, o poeta jequiense teria completado 74 anos no dia 03 de setembro

Foto: Secom/ PMJ / 

Desde o dia 1ª de setembro, os jequieenses estarão respirando a obra do poeta conterrâneo Waly Salomão. O projeto WalyAqui está em cartaz no Museu Histórico de Jequié João Carlos Borges até o próximo dia 30.

Museu Histórico de Jequié

A homenagem pública é organizada pela Prefeitura de Jequié e suas principais atrações são as exposições multimídias intituladas “Algaravias” e “Janela de Marinetti”, nomes de obras literárias do poeta.

O evento ainda traz uma programação múltipla, que vai de mesas redondas que discutem a obra de Waly a apresentações de teatro e música. Além do museu, a homenagem roda a cidade através de esquetes teatrais performadas dentro do transporte coletivo.

Waly Salomão

Waly Salomão, jequieense, filho de pai sírio e mãe sertaneja, foi um poeta que agitou o Rio de Janeiro nos anos 70, 80, 90 e morreu precocemente em 2003, quando perdeu a luta contra um câncer. Foi também o compositor de canções como “Vapor Barato”, gravada por Jards Macalé, Gal Costa e O Rappa; “Mel”, sucesso gravado por Maria Bethânia e Caetano Veloso; e “Assaltaram a Gramática”, interpretada por Lulu Santos e Paralamas do Sucesso, entre muitos outros.