“Doce Flauta de Liberdade” começa a circular em rota nacional de festivais e mostras

A Mostra do Filme Livre faz 14 anos e é uma das maiores mostras de filmes brasileiros independentes

Tendo sua estreia na Mostra Cinema Conquista em outubro de 2014 e já passado por Salvador e Cachoeira, o filme baiano “A Doce Flauta de Liberdade” começa a dar passos rumo à circulação nacional. A produção de George Neri, gravada em Ituaçu, chega a partir do dia 18 de março em Brasília, Belo horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo – através da Mostra do Filme Livre (MFL) que acontece nas cinco capitais.

A Mostra do Filme Livre faz 14 anos e é uma das maiores mostras de filmes brasileiros independentes. Serão exibidos 209 filmes dos 1.460 inscritos, somados aos 51 convidados pela curadoria, como as sessões especiais e de homenageados. São obras recebidas de várias partes do país e muitas terão a MFL como sua única exibidora. O evento começará de Janeiro (11 de março a 5 de abril) e depois seguirá para Brasília (8 a 27 de abril), São Paulo (29 de abril a 25 de maio) e finalizará na capital mineira (3 a 22 de junho).  Como nos outros anos o evento será  gratuito, e este ano  durará 5 meses.

Para George Neri, os festivais e mostras proporcionam uma janela alternativa para filmes que não conseguem entrar dentro da industria cinematográfica. “O circuito comercial brasileiro é tomado pelo cinema americano, existem esforços para uma retomada da porcentagem de tela para filmes brasileiros, mas não é tão fácil assim pois o publico está acostumado com fabricações de heróis e finais ‘surpreendentes'”, explica.

No entanto, o cineasta problematiza lembrando que muitos filmes acabam de fora mesmo neste circuito, ficando a cargo das plataformas virtuais proporcionarem o acesso a estas produções. ” (Segundo a lógico comercial) um filme tem que ser visto por uma grande maioria e o público menor onde fica? Uma realização artística passa pelo estranhamento, aí o público tem que aprender també “a não gostar” ou melhor, a palavra melhor é estranhar, sair do julgamento e deixar fluir outras noções de interpretação”, reflete o cineasta.

As exibições acontecerão no Centro Cultural Banco do Brasil de cada cidade. O Rio de Janieor recebe o filme nos dias 18 e 26 de março; Brasília no dia 15 do mesmo mês; São Paulo no dia 07 de maio e Belo Horizonte no dia 04 de junho.

Confira a programação completa do festival