Barão de Itararé lança núcleo baiano para debater comunicação e democracia

O presidente da iniciativa, o jornalista Altamiro Borges participou do evento de lançamento nesta quinta-feira, 03, no Sindicato dos Bancários, em Salvador

Com informações do PT/Bahia

Após quase dez anos de sua criação, em São Paulo, o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé chega à Bahia. Os contextos políticos são diferentes, mas o objetivo permanece o mesmo: debater e promover a democracia através da comunicação.

O presidente da iniciativa, o jornalista Altamiro Borges participou do evento de lançamento nesta quinta-feira, 03, no Sindicato dos Bancários, em Salvador. Uma roda de conversa foi realizada e conduzida pelo também jornalista e economista Emanuel Souza, contando ainda com a jornalista e escritora Nathali Macedo (Diário do Centro do Mundo – DCM).

Altamiro Borges/ Foto: Rafael Flores

Na ocasião, Altamiro defendeu que é urgente o debate sobre a comunicação democrática, pelo cenário de altíssima concentração da mídia, que produz fenômenos políticos ‘regressivos’. “A mídia  é protagonista nesse processo de regressão. É quase um estado dentro do Estado. Promoveu a negação e a criminalização da política, que ajudaram a eleger esse grupo [do presidente Jair Bolsonaro]”, explicou.

Altamiro ainda avalia que contribuir para a eleição de Bolsonaro trouxe consequências impensáveis para a própria mídia tradicional, entre elas, o ataque do presidente à liberdade de expressão. “Ela criou um monstro e está sofrendo com isso. […] Bozo está asfixiando a mídia e convocando a militância para atacar jornalistas. A Miriam Leitão [jornalista da Globo] não consegue fazer um lançamento de livro”, disse.

É neste contexto de ataque à liberdade de expressão e de concentração midiática que o ‘Barão’ na Bahia está inserido e deve atuar, segundo o presidente. “Temos que criar núcleos que façam esse diálogo. Unir na diversidade. O que nos une é a luta pela liberdade de expressão, a democratização da comunicação e a promoção da justiça social”, completou.

Altamiro lembra ainda que o debate pela democratização da comunicação no país era mais favorável em 2010, ano de estreia do ‘Barão’. Ainda que não priorizado pelos governos petistas, o assunto foi abordado pelo governo Lula, através da Conferência Nacional de Comunicação (Salvador, 2009).