Aumento da tarifa de ônibus é suspenso em Itabuna após mobilização

A tarifa do transporte público na cidade subiria de R$ 2,85 para R$ 3,30 (15,8%)

Com informações de Adusb

A cidade de Itabuna, no sul da Bahia, passou por intensas mobilizações populares nas últimas semanas. O motivo foi a tentativa do aumento da tarifa do transporte público que passaria R$ 2,85 para R$ 3,30.

Na segunda-feira (5), por pressão popular, a Câmara de Vereadores de Itabuna derrubou decreto do prefeito que aumentava em quase 16% a tarifa de ônibus municipal. Uma vitória para os trabalhadores e trabalhadoras da cidade, que lutam por um transporte público e de qualidade.

Apesar da derrota no Legislativo, na manhã dessa quinta-feira (8), as empresas São Miguel e Sorriso da Bahia aumentaram ilegalmente o valor das passagens para R$ 3,30, com o aval da prefeitura, do poder judiciário e da polícia, que reprimiu os protestos para tentar garantir a circulação dos ônibus.

Foto: “Contra o Aumento da Tarifa – Itabuna”

Insatisfeita, a população seguiu mobilizada bloqueando várias vias da cidade e impedindo a circulação dos veículos. A Câmara de vereadores, que derrubou o aumento da tarifa, ingressou com um mandado de segurança contra as empresas. Na noite deste dia 8, o prefeito em exercício, Fernando Vita, vencido pela pressão popular nas ruas, anunciou em nota a suspenção do decreto de aumento.

Em janeiro o prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, decretou o aumento da tarifa de R$ 2,85 para R$ 3,30 (15,8%), o que provocou a mobilização da Frente de Lutas Contra o Aumento da Tarifa, responsável pela articulação de atos e protestos contra a decisão. Foram realizadas panfletagens nos pontos de ônibus, em bairros e reuniões com a população. Houve também ato público no dia 30 de janeiro, no qual manifestantes saíram em passeata até a Prefeitura. Nesse mesmo dia foi protocolada, no Ministério Público, uma ação civil pedindo o posicionamento do órgão sobre o aumento da tarifa devido às irregularidades apontadas no sistema de transportes da cidade.

Segundo o presidente da Adusc, José Luiz de França, “o aumento é abusivo e fere o direito de ir e vir porque transforma a tarifa do coletivo em um privilégio de quem pode pagar”.

Foto: “Contra o Aumento da Tarifa – Itabuna”

O estudante da Uesc e militante da União da Juventude Comunista, Vinícius Kaiowá, ressalta que “a população de Itabuna sofre com a precariedade dos ônibus oferecidos pelas empresas privadas e com a superlotação”. Além disso, outros motivadores da luta são “a inexistência de uma estação de transbordo municipal e a redução de inúmeras linhas nos bairros, principalmente nos mais afastados e periféricos”, afirmou o estudante. A situação tem afetado diretamente a vida dos trabalhadores e estudantes que usam o transporte coletivo.

Vinicius ressalta que, mesmo tendo a influência da divergência entre os poderes Executivo e Legislativo da cidade, a derrubada do aumento é, sobretudo, resultado positivo da ação popular e dos militantes que foram às ruas e afirma que, “vão seguir [em luta] contra o aumento”.